Cirurgia ao estrabismo com poucos riscos

O oftalmologista Edmilson Gigante, de Presidente Prudente (SP), desenvolveu uma técnica para corrigir estrabismo. Hoje a correção é feita por duas cirurgias, uma em cada olho, mas com esta técnica, executando apenas uma cirurgia ao estrabismo, o problema fica corrigido.

Estimativas indicam que entre 5% e 10% das pessoas sofrem de estrabismo. Destes, entre 30% e 40% o desvio angular ultrapassa os 50 graus. É nestes casos em que a cirurgia ao estrabismo de Gigante é importante. Quando o desvio é inferior a 50 graus, uma única cirurgia pode colocar o olho no lugar.

O estrabismo, normalmente, manifesta-se de duas maneiras: convergente (olho voltado para dentro) ou divergente (para fora). Os desvios ocorrem porque os músculos que sustentam os olhos são fortes ou fracos.

No caso do estrabismo convergente, o músculo interno é mais forte, enquanto o músculo lateral é mais fraco. Para fazer a correção, enfraquece o músculo forte e fortalece o mais fraco, causando um equilíbrio que corrige o olho. No divergente, o procedimento é inverso.

Para fazer a correção do estrabismo convergente, Gigante leva para trás o músculo forte e fortalece o fraco com uma ressecção (retirada de parte do músculo), encurtando-o. “Com isso, enfraqueço o músculo forte e fortaleço o fraco”, diz. “No caso do divergente, o procedimento é inverso”, acrescenta.

Mas, para isso, Gigante desafiou um paradigma da oftalmologia: o de fazer recuos e ressecções com tamanho superior a 5 milímetros. “Desde 1922, quando foi feita a primeira cirurgia ao estrabismo, a maioria dos cirurgiões nunca tentou ultrapassar os 5 mm”, conta. Durante 7 anos, Gigante vem ultrapassando aos poucos os 5 milímetros, aumentando o tamanho de acordo com o grau de desvio do paciente. A técnica já recuperou 44 vítimas de estrabismo convergente e outros 40 de estrabismo divergente, todos pelo Serviço Único de Saúde (SUS), no Hospital Universitário de Presidente Prudente entre 2000 e 2005.

Se não for tratado até os 4 ou 5 anos de idade, o mal causa a ambliopia, doença que deixa a pessoa praticamente cega do olho estrábico. “Se a criança usar tampão consegue manter a visão, mas não vai escapar da cirurgia, pois o desvio do olho continuará”, diz o oftalmologista Jonas Ricardo Martins Cintra, de Jaboticabal. Como muitos não fazem o tratamento quando jovens, perdem a visão do olho afetado e, como tradicionalmente as cirurgias são indicadas nos dois olhos, elas se recusam a corrigir o problema. “Com a técnica de Gigante, a pessoa fará apenas uma cirurgia no olho doente, não correndo risco de perder a única visão saudável”, diz Cintra

Para o estudante Lucas Pazzini Claro, 20 anos, a cirurgia lhe salvou de humilhações e preconceitos. “Fiz essa cirurgia há seis anos. Antes, a auto-estima ficava lá embaixo. Hoje não. Vejo o mundo com mais alegria”, conta.

Enjoyed this post? Share it!

 

10 thoughts on “Cirurgia ao estrabismo com poucos riscos

  1. Bom dia eu tive um acidente em fevereiro desse ano e o meu olho direito ficou parado e vejo materiais e automoveis na imagem dupla corro risco de perder o olho

  2. meu filho de 5 anos de idade ta c a cirurgia marcada p o dia 31 de maio ,estrabismo gostaria mto de saber como é feita e como é anestesia geral. corre algum risco antes e depois da cirurgia ,quem pode me ajudar já agradeço .obrigada

    • Wallacy, a rede pública oferece a cirurgia de estrabismo gratuitamente. Procure algum posto de saúde onde você possa ser orientado sobre como proceder. Sei bem como é se sentir para baixo por causa do estrabismo.

  3. Tenho 28 anos… será que ainda posso fazer essa cirurgia? não tenho visão no olho direito, o qual é estrábico.

    • Felipe, tenho 28 anos também e já realizei uma cirurgia aos 14 anos e outra mês passado (com 28). A cirurgia não tem limite de idade. Procure um médico que posso lhe orientar. A rede pública também oferece essa cirurgia gratuitamente.

    • O povo queixa-se muito da safade do servie7o de safade, precaem uns piegasmas as notedcias sere3o contraditf3rias como muitas vezes acontecee0s vezes se3o os melhores hospitais, outras vezes os pioreshaja Natal e safade para o menino Jesus

Deixe uma resposta para adriana eberle Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *